[Resenha] Sem Deixar Rastros

O que pode acontecer quando as boas intenções levam a um caminho inesperado e acabamos perdendo o controle? Matthew Worth é um policial looser que vive se metendo em confusão e quase destrói a própria carreira após dar uma surra em um superior. Como castigo, seu departamento o obriga a fazer patrulha noturna num supermercado situado numa área perigosa de Nebraska. Lá ele se apaixona por Gwen, uma tímida operadora de caixa. As coisas não poderiam mais piorar. Mas pioram.

Gwen o procura uma noite, desesperada, em busca de ajuda, depois de matar seu namorado agressivo. É quando Worth precisará descobrir até que ponto está disposto a proteger e servir. Apaixonado, decide ajudar a moça, e acaba se envolvendo numa série de ciladas e armadilhas das quais será difícil se livrar. - Sinopse.




O FRIO NA BARRIGA

Houve um tempo quando eu lia três, quatro romances policiais por mês (obviamente, eu ainda não estava na Universidade e tinha tempo de ser feliz). Sempre gostei deles pelo frio na barriga e por aquela maravilhosa - ou frustrante, dependendo do livro - sensação de descobrir o mistério no último capítulo. Admito que eles não são mais meus livros prediletos mas, recentemente, matei a saudade.

Sem Deixar Rastros é uma narrativa fluida e fácil de acompanhar que Sean Doolittle conduziu bem, de modo geral. Matthew Worth é um policial que leva uma vida medíocre e se apaixona por Gwen, uma garota com problemas em casa. Por causa dela, ele corre o risco de acabar com sua não-tão-brilhante carreira e enfrenta vários percalços ao longo do livro.

A estratégia de Doolittle é, logo nos primeiros capítulos, dar todas as cartas do jogo ao leitor. Não, não há suspense para saber quem fez o quê, mas o mistério é como Matt se livrará de suas várias acusações em uma Omaha cheia de policiais corruptos e traficantes de drogas, alguns dos quais são personagens muito bons.

Falando de Matthew, o interessante é o diferencial de não ser, como tantos outros policiais da ficção, incorruptível. Suas inseguranças e falhas de caráter são muito evidentes e, ao longo da história, ele representa muito bem o ser humano comum - passível de erro, medroso, mas também com potencial para o bem. Gwen, por sua vez, é uma caixa de Pandora com um conteúdo que o autor escolheu não explorar tanto. Gostaria que ele tivesse decidido diferente.

Notei também que Doolittle incorpora o linguajar dos policiais e bandidos na narração. Não tenho certeza se o problema foi a (duvidosa) tradução, mas logo de início decidi que não gosto disso. Talvez seja só um capricho. No mais, Sem Deixar Rastros foi, para mim, uma boa reaproximação do romance policial. Depois de uma leitura pesada que eu havia feito, essa história de assassinato foi surpreendentemente leve. Recomendo.





Ana Paula Ferreira.

Não me conhece? Eu me apresentei aqui!

18 comentários

  1. Eu gosto de romance policial, mas prefiro um romance light, ultimamente a correria da faculdade não me deixa quieta, ai o negocio fica difícil, mas parabéns Ana pela primeira resenha que ficou show.

    Abçs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Tamires! Postarei outra na sexta que vem, e ela promete. Abraço!

      Excluir
  2. Oi Ana!! Também adoro livros do gênero, mas faz um bom tempo que não leio nada assim.
    Essa história parece interessante, apesar dos "poréns". De fato, a tradução pode atrapalhar bastante, assim como a falta de aprofundamento na personalidade de alguns dos personagens. Mas acredito que se lermos sem tantas expectativas, pode ser uma boa opção.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. esse Matthew Worth ai parece problematico e quando pensa que nao tem mais nada pra dar errado, ele se apaixona por uma garota que tambem tem problemas. nao poderia ser pior(pra ele é claro) ou pode...
    mas enfim a resenha achei interessante, mas o livro em si nao me interessou, pra falar a verdade nem sei se gosto de romance policial, apesar de nunca ter lido um pra saber. obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emanoelle, esse também não foi meu livro preferido, não. rs
      Mas se você for tentar romance policial, eu recomendo Giorgio Faletti, é o melhor autor desse gênero, na minha opinião. Abraço!

      Excluir
  4. Eu adoro romance policial, gostei que o Matthew nao é um tipo de santo, so pela resenha da pra perceber que a garota por quem ele se apaixona é encrenca. Gosto quando o livro tem misterio para tentar adivinhar mas o caminho que o autor escolheu para trama policial deve ser ate melhor porque tem muito livro policial com misterio que se perde no decorrer da historia e no fim nao era aquela coisa,odeio isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim é ruim, mesmo, Rafaela. Obrigada por ler. Abraço!

      Excluir
  5. Leio romances policiais desde que ingressei no mundo da leitura, o que já faz muito tempo. Gostei da sua resenha desse livro, já que o ainda não o conhecia, e por se diferente, já que dá logo todas as cartas no início da narrativa. Com certeza darei uma chance a ele.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, Cecília! Depois conte o que achou. Abraço!

      Excluir
  6. Como já disse antes nunca li um livro do gênero, mas tenho vontade! É desse frio na barriga que você falou que eu tenho curiosidade de sentir, de criar uma lógica a partir das pistas apresentadas e torcer para que seus palpites estejam certos no final do livro. Isso deve ser bem emocionante! Enfim, parabéns pela resenha e que venham muitas outras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yasmine, eu recomendo. Meu autor favorito desse gênero é o Giorgio Faletti. Qualquer dia desses, eu falo sobre um dos livros dele. Abraço!

      Excluir
  7. Adoro esse livro. Um livro que com sua trama que lembra muito o filme Fargo, consegue manter o suspense e a adrenalina necessários para deixar o leitor grudado e querendo logo chegar ao desfecho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lissandro, já vi comparações entre o livro e Fargo, realmente... Que bom que você gostou. Abraço!

      Excluir
  8. Oi Ana :D

    Gosto de romances policiais, mas estou mais acostumada com narrativas estilo a do "Sidney Sheldon" então não consegui me conectar com esse livro. E esperva que a história fosse um pouco mais pesada, e esse "leve" que você disse não me convenceu. Essa leitura eu deixo passar ..

    Bjs.
    Passeando com os livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz bastante tempo desde que eu li Sidney Sheldon, mas eu costumava gostar! Obrigada por ler :)

      Excluir
  9. O livro pelo jeito promete muito suspense. Ainda não não tinha visto nada dele, e espero muito ler. Amei a resenha e a premissa do livro. Quero tentar ler mais alguns livros românticos com policiais. Espero gostar tanto do livro quanto sua resenha que me deixou bastante animada e curiosa.
    Beijos

    www.gemices.com.br

    ResponderExcluir